Soraya Thronicke é candidata à Presidência pelo União Brasil

Convenção realizada nesta sexta-feira (5) ratificou o nome da senadora na corrida ao Planalto; vice será economista e ex-deputado federal Marcos Cintra

Senadora pelo Mato Grosso do Sul, Soraya Thronicke será o nome do União Brasil na disputa à Presidência da República. A oficialização ocorreu nesta sexta-feira (5), em convenção nacional do partido, realizada em São Paulo. A chapa puro sangue tem como vice o ex-deputado federal e economista Marcos Cintra, conhecido por ser o idealizador da proposta do Imposto Único Federal (IUF).

Em seu primeiro discurso como candidata, Soraya fez críticas à briga política que se instaurou no Brasil. “O radicalismo fez o Brasil andar para trás. Precisamos de alguém na Presidência com liberdade para governar, sem amarras ideológicas. Minha aliança é com a democracia, é com o povo brasileiro”, pontuou.

A senadora lembrou que é preciso acabar com a fome e com o desemprego. “Somos um país rico, mas temos uma população pobre. Minha missão é unir o Brasil, superar as desigualdades e reformar o que for preciso. É hora de aprender com os erros do passado, o futuro começa agora. Para tirar o país do atoleiro, agora é quatro por quatro. Agora é 44!”, convocou Soraya aos apoiadores.

Anunciado como vice na chapa, o economista Marcos Cintra subiu o tom contra a alta e complexa cobrança de impostos. “O povo está cansado de ser roubado. Precisamos de coragem e competência. A Reforma Tributária é a mãe de todas as reformas. Ela vai ajudar os trabalhadores, empresários, todos os brasileiros. O Imposto Único Federal será uma nova página na política econômica do país”, sustentou.

“Temos condição de vencer”

O presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar, enalteceu Soraya Thronicke como “uma mulher qualificadíssima, independente e que defende os interesses e as instituições democráticas”. “O Brasil vai conhecer essa mulher, essa brasileira que ama o país. Ela sempre foi defensora da classe menos favorecida. No Senado, tem demonstrado isso. Temos todas as condições de vencer. Temos cinco ex-ministros que estão ajudando nessa missão, somos uma alternativa viável para o Brasil”, enfatizou.

Bivar elogiou ainda o currículo de Marcos Cintra, a quem se referiu como um “homem excepcional”. “Cintra sempre esteve à frente de seu tempo, vai contribuir muito com o projeto do União Brasil”, completou.

O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), marcou presença no evento e ressaltou que, ao lado de Geninho Zuliani (União Brasil), vai “empunhar a bandeira e defender os valores da democracia”. “Vamos levar o estado de São Paulo adiante. Teremos palanque único ao lado da nossa presidente Soraya e do nosso vice-presidente Marcos Cintra. Estamos aqui para resolver os problemas, independentemente de ideologia, de São Paulo e do Brasil”, afirmou.

Vice-governador na chapa de Rodrigo Garcia, o deputado federal Geninho Zuliani enxerga a candidatura de Soraya Thronicke como alternativa aos extremos. “A esquerda levou o país aos noticiários policiais. A direita levou o país à inflação e à pobreza. Conte comigo, presidente Soraya, vou levar seu nome por todos os cantos de São Paulo”, garantiu.

Candidato a senador pelo Paraná, o ex-juiz Sergio Moro endossou o apoio à Soraya Thronicke e disse que estará ao lado dela “até a última gota de suor.”

“Uma candidatura feminina reforça o compromisso do partido. A pedido do presidente Bivar, elaborei algumas propostas no âmbito da segurança pública. Além disso, temos que recuperar a bandeira da transparência e do fim da corrupção. A gente não consegue emprego e renda se não tiver honestidade e integridade na vida pública. Isso é o que eu ensino aos meus filhos em casa”, declarou.

Aos 49 anos, Soraya vai participar de sua segunda eleição. Em 2018, foi eleita senadora pelo Mato Grosso com mais de 373 mil votos ao defender o fim da corrupção em movimentos de rua. A parlamentar já disse publicamente ser liberal na economia e defensora da família e é um dos principais nomes no Congresso Nacional na luta por mais mulheres na política.

O seu mais recente projeto no Senado é o PL Barbara Penna (2083/22), que estabelece que o agressor fique em unidade prisional afastada da residência da vítima, podendo ser transferido para outro estado. O objetivo é evitar ameaças e retaliações a essas mulheres.