Deputada Federal Gisela Simona - União Brasil

ARTIGO – Código de Defesa do Consumidor: Uma lei forte por natureza

ARTIGO – Código de Defesa do Consumidor: Uma lei forte por natureza

Em 11 de setembro de 1990 foi publicada a Lei n. 8.078 – Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC), uma lei polêmica no seu nascedouro que poderia “quebrar o comércio”, “emperrar o desenvolvimento do país”, mas que ao mesmo tempo tinha o objetivo de incentivar boas práticas na apresentação, oferta, venda e pós-venda no mercado de consumo, fixar parâmetros mínimos de competição pela qualidade e informação completa dos produtos e serviços ao cidadão.

Foi nesse contexto que, cumprindo o mandamento constitucional de 1988, pelo qual determinou-se que em 120 dias seria elaborado o Código de Defesa do Consumidor, é que foi publicada a lei que consideramos extremamente forte por trazer em seu conteúdo, conceitos e institutos que fazem da mesma, um microssistema jurídico composto de regras de direito material, processual e penal, que atualmente resolve os conflitos de consumo que surgem entre consumidores e fornecedores de todo país.

Ao definir conceitos como consumidor, fornecedor, produto, serviço, vício, defeito, publicidade enganosa e abusiva, dentre outros, bem como fixar direitos básicos, regras de responsabilidade solidária, responsabilidade objetiva, da desconsideração da pessoa jurídica tornou-se o parâmetro único e aceitável para regular as relações de consumo.

É o Código de Defesa do Consumidor que logo no seu Artigo 1º estabelece que é uma norma de ordem pública e de interesse social, portanto, prevalece, acima da vontade das partes, a fim de que o Estado Democrático de Direito seja uma realidade também nas relações de consumo.

Na condição de parlamentar e membro da Comissão de Direito do Consumidor da Câmara Federal, presenciamos semanalmente a tentativa de alteração da norma sobre o pretexto de torná-la moderna, mas a grande maioria das propostas tentam enfraquecer o texto já que o mesmo possui conceitos abertos que permitem uma interpretação atemporal.

Exemplifico com a tentativa de incluir os meios digitais para fornecimento de informação e realizar compras online, cujo avanço é inegável, mas que nenhum momento está excluído do Código de Defesa do Consumidor, sendo certo que as regras que valem para o comércio tradicional também valem para o comércio online, com o agravante da hipervulnerabilidade que todos nós estamos inclusos na rede mundial de computadores.

Vale o registro que contratações exclusivamente virtuais, informações por QRCode, notificações por e-mail ou por Whatsapp, pagamentos por aplicativos são uma realidade que deve ser regulada, mas que na minha compreensão não precisam necessariamente alterar o CDC, visto que as mudanças dispostas precisam atender a realidade dos vários cantos do Brasil, ou seja, de áreas urbanas, ultra modernas e informatizadas, até o consumidor da área rural que sequer tem internet disponível.

A mudança mais significativa que tivemos no CDC e que impactou positivamente na norma foram as alterações trazidas pela Lei Federal nº 14.181/2021, que trata da prevenção e tratamento da pessoa superendividada, fazendo da lei, uma norma moderna, mesmo com seus 33 anos de publicação.

Nesse sentido, nosso papel é a luta permanente para sua implementação seja com a educação para o consumo entre consumidores e fornecedores, seja com a fiscalização da norma por órgãos como PROCON que diariamente exercem uma tarefa de interesse público que é buscar a harmonia entre consumidores e fornecedores e, na Câmara Federal, é para que não se tenha retrocessos e sim avanços na proteção e defesa dos consumidores.

Gisela Simona é advogada, especialista em Direito do Consumidor, servidora do PROCON-MT e deputada federal pelo União Brasil Mato Grosso.

Compartilhe
Daniela Carneiro assume Ministério do Turismo pregando união, inclusão e reconstrução do setor
01/03/2023
Lei de Rodrigo Cunha (União-AL) que determina funcionamento 24h de delegacias da mulher é sancionada
04/04/2023
Exploração sustentável é melhor forma de preservar meio ambiente, defende ministro Celso Sabino
03/10/2023
Ronaldo Caiado, Mauro Mendes, Efraim Filho e Wilson Lima
Governadores do União Brasil discutem reforma tributária no Senado
30/08/2023
Três dos quatro governadores mais bem avaliados do país são do União Brasil
Três dos quatros governadores mais bem avaliados do país são do União Brasil
09/08/2023
(mt) mauro mendes
Linha de crédito do Governo de MT incentiva projetos de energia renovável nas empresas
13/06/2023
Em seu primeiro discurso pós-recesso, Jayme Campos (MT) diz que 2024 será um ano desafiador e defende mais segurança aos brasileiros
Em seu primeiro discurso pós-recesso, Jayme Campos (MT) diz que 2024 será um ano desafiador e defende mais segurança aos brasileiros
08/02/2024
flávia francischini
Flávia Francischini (União-PR) recebe homenagem pela defesa dos direitos dos autistas
02/02/2024
Senador Rodrigo Cunha (União Brasil - Alagoas). Foto: Waldemir Barreto / Senado
Lei de Rodrigo Cunha (União-AL) que determina funcionamento 24h de delegacias da mulher é sancionada
04/04/2023
screenshot.297
Congresso: Parlamentares do União Brasil são destaque na pauta feminina
09/03/2023
screenshot.259
Vice-presidente do Grupo Brasil-Israel, Alan Rick (AC) destaca boa relação construída entre os dois países nos últimos anos
01/03/2023
screenshot.256
Elmar Nascimento é escolhido como primeiro líder do União Brasil na Câmara dos Deputados
01/03/2023
Foto: Instituto Índigo
Jovens Pelo Brasil discute impacto da economia sustentável na melhora da qualidade de vida do povo amazônico
12/07/2023
Executiva Nacional da União Jovem do Brasil
União Jovem realizará eventos pelo Brasil de olho nas eleições municipais
24/03/2023
Executiva do União Jovem do Brasil com o presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar.
União Jovem apresenta relatório e demandas a parlamentares do partido
24/03/2023
14
Parlamentares do União Brasil são empossados no Congresso Nacional
17/03/2023
Diretórios do partido